Cartas ao Poetinha Vinícius de Moraes

Livro “Querido poeta – correspondência de Vinícius de Moraes”

As cartas de Cynara e Cyva a Vinícius de Moraes que publicamos neste post fazem parte do livro “Querido poeta – correspondência de Vinícius de Moraes”, lançado pela editora Companhia das Letras. O livro reúne mais de duzentas cartas e bilhetes escritos ou recebidos pelo poeta ao longo de quase cinquenta anos. O Blog do Quarteto em Cy recomenda a leitura!

 

 

Carta de Cynara para Vinícius de Moraes

 

Rio, 7 de novembro de 1963.

Vininha, meu amigo,

Não sabia mais onde guardar tanta saudade, quando sua carta, enfim, chegou para as quatro. Vibrei de contente, como se você também tivesse vindo no envelope.

As coisas realmente se precipitaram, mas aos poetas tudo é permitido e você tem muito mais direitos que deveres.           

Cheguei da Bahia louca de alegria [na perspectiva] de vê-lo, com uma porção de rapadura e coco cheio de cachaça pra você, presentes do [Carlos] Coqueijo e Aydil. E um recado deles para você, o Carlinhos [Lyra] e o Baden estarão na Bahia em janeiro. À sua espera estaria um apartamento em frente ao mar de Amaralina, com todo o isolamento possível e cheinho de instrumentos. Tudo isso foi jogado fora e minha alegria também.

Você sabe que eu sou chorona e, depois então que soube da sua fuga [para Paris], desandei no choro por uns três dias. Mas já passou a fase chata. Estou novamente contente e nunca, nunca pensei mal de você, por isso não tomei a carapuça de ser feia. Eu lhe disse numa das nossas reuniões que acredito em você, mais que tudo na vida. Desejo um mundo de felicidades aos dois. Amos, a gente não pode mesmo jogar fora, porque é a única coisa que realmente vale nessa vida. Viva muito e ame muito, pois garanto que, amado, você é. Quando meu amor tiver de vir, vou rezar pra que ele venha todo certinho, como veio o seu.

Acredito também no Quarteto em Cy e, de minha parte, lutarei para que ele vença. Continuamos em aulas semanais com o Carlinhos e ele tem sido um anjo conosco. E estamos em progresso, sabe? Já até solfejamos umas notinhas.Vai tudo muito bem.

Que bom foi ter ao seu lado a Susaninha e o Tuca. Eles devem ter ficado no céu com vocês. Em compensação, o Rio ficou mais triste. Mas você vai voltar, não é? Não fique muito por aí, senão correrá o risco de voltar outro Vinicius diferente do que foi.

As meninas mandam abraços para os dois. Um beijo meu para a Nelitinha. Pra você, muitos abraços, beijos e uma saudade em sol maior de

Cynara

 

 

Carta de Cyva para Vinícius de Moraes

 

Rio, 11 de novembro de 1963.

Vino, querido

Sua carta tirou-me da superfossa em que eu estava. Você não imagina como todas nós ficamos contentes. É claro que eu havia ficado muito triste por não poder vê-lo ainda uma vez antes de você viajar, mas por que havia de pensar mal, como você diz? Vi logo que foi mesmo um caso de amor fulminante, de parte a parte, e achei a fuga muito justa e genial. Gostaria de ter podido também levar-lhes rosas no embarque, mas, como não foi possível, “mando-as” agora, com os meus votos de felicidades para sempre. Um abração à Nelitinha.

Vinícius de Moraes e Cyva

Achei comovente você ainda acreditar no Quarteto em Cy. Tenho-me esforçado por continuar acreditando, pois ele caminha a passos de tartaruga, o que nos impacienta, sabe? É como se estivesse condenado. Íamos fazer um show com Carlinhos [Lyra] no Teatro Santa Rosa, mas não deu certo. Depois, o Flavio Ramos começou a organizar um show conosco no Bom Gourmet, mas teve que fechá-lo. Resultado: vamos ficando frustradas com isso, que chamamos de “superazar”. Agora terminamos por nos dar um prazo. Depois disso, Cybele voltará para a Bahia a fim de casar-se. Estou contando isso para você não alimentar ilusões a respeito do quarteto, ainda.

Ontem fomos ver o filme Bonitinha, mas ordinária, com Odetinha, Fregolente, Jece Valadão etc. A música é de Carlinhos, você ouviu antes de viajar? Gostei muitíssimo. Achei-a exótica, estranha mesmo, como se levasse a gente para lugares desconhecidos, sabe? Você gostará também, tenho certeza. Vimos também, há umas duas semanas, o filme Sol sobre a lama. Tem muita coisa boa, outras não. O seu nome, eles escreveram: Venicius de Morais.

Sabe aquela música do Carlinhos, que você escreveu a letra, “Minha namorada”? (Foi para Nelitinha, não foi?) Pois bem, eu havia tomado nota da letra, você se lembra? E ele [Carlinhos] não tinha. Quando eu disse, ele ficou todo contente. Acho que ele mão tem o “Pau-de-arara”.

Todos os dias um jornal ou revista fala em você, aqui. Como vê, ninguém o esquece, nem um pouquinho. O Cruzeiro publicou uma reportagem com a sra. Helô Amado e ela achou logo um jeitinho também de falar em você. Na Manchete, creio, foi aquela francesa sorridente. Não sei se o Baden conseguiu livrar-se dela, afinal. Na Bahia, o Coqueijinho também está sempre falando em você. Ele ficou frustrado porque não vai poder levá-lo [a Salvador] em dezembro, coitadinho. Vou escrever para ele, dizendo que temos notícias suas. Ele ficará contente.

Você continuará escrevendo para nós, não é, Vino? Cybele é meio preguiçosa e também acho que tem vergonha de escrever a você. Mas eu escreverei por ela e por mim, está bem? Se chatear muito, você diz.

Outro abraço e um beijinho a Nelitinha, Susana e Tuca (ele se parece com você?). Espero que vocês continuem muito felizes, mas, por favor, não demorem muito aí, do contrário, quando voltarem, todo mundo aqui está pálido, morrendo de saudade, juro.

Cyva

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s