Muito prazer: Sandra Machado

A nossa série de entrevistas “Muito Prazer” traz uma convidada super especial, que deixou registrada a sua marca na história do Quarteto em Cy. Essa semana tivemos o prazer de conversar com Sandra Machado, que fez parte do grupo no início da década de 1970, quando o Quarteto excursionava pelos Estados Unidos. Ela nos contou sobre as suas experiências musicais com o grupo, as lembranças que guarda desse tempo, como a música faz parte da sua vida hoje, além de muitas outras histórias imperdíveis. Agradecemos a Sandra pelo carinho com que nos atendeu e esperamos que vocês curtam esse papo tanto quanto nós curtimos. 

 

Quarteto em Cy com a formação Regina Werneck, Cybele, Cyva e Sandra (da esquerda para a direita). Foto: arquivo pessoal de Cyva.

 

Blog: Para começar o nosso papo, Sandra, queremos saber um pouco sobre sua relação com a música antes de integrar o Quarteto em Cy. Foi desde cedo que você começou a cantar?

Sandra: Sim, comecei a cartar desde cedo, mas só cantava no chuveiro antes de conhecer a Cyva e a Cybele. Mas na minha adolescência, através do meu futuro marido, eu tive a sorte de conhecer alguns rapazes que iriam mais tarde ser muito importantes no cenário musical do Rio, gente como o Luiz Claudio Ramos e o Franklin da flauta.

 

Blog: E como foi que surgiu o convite para você fazer parte do Quarteto em Cy? Conte-nos como isso aconteceu.

Sandra: Meu marido, um frustrado quase-baterista, tinha vários amigos envolvidos na música brasileira e quando nos mudamos para Los Angeles o Rubens, que na época tocava com o Sérgio Mendes em Los Angeles, nos apresentou as meninas. A Sônia, uma das participantes do Quarteto, tinha voltado para o Brasil e, como eu tenho o tipo físico semelhante ao da Cyva e Cybele, elas resolveram testar a minha voz e minha habilidade de cantar em harmonia com elas. Para minha grande surpresa e total felicidade, eu passei no teste, que foi administrado pelo Oscar Castro Neves ao piano.

 

Blog: Você fez parte do grupo por dois anos, de 1970 a 1972, e nesse período o grupo excursionava pelos Estados Unidos. Que lembranças você tem dessa época?

Sandra: Somente o fato de que eu estava cantando – imaginem só! – com o Quarteto já é uma lembrança incrível! Quando eu liguei para a minha mãe no Rio para contar ela custou a acreditar. E as minhas amigas no Rio? Nossa, foi um furor! Eu passei a ter muito cartaz com todo mundo, pode crer! Junte-se a tudo isto a lembrança maravilhosa de como a Cyva, a Cybele e eu nos tornamos amigas íntimas quase imediatamente, com uma tremenda facilidade; de conhecer a Cynara quando ela foi para Los Angeles; das muitas vezes que cantei junto com elas em mil lugares diferentes; da oportunidade que isto me trouxe de conhecer os músicos e cantores brasileiros que também moravam em Los Angeles; de ter conhecido o Jorge Amado e a Zelia (!) na casa da Cyva, e eles terem adorado o meu marido; das muitas festas brasileiras em clubes e casas; tanta coisa boa, coisa demais para contar aqui, foi uma época maravilhosa da minha vida.

 

Blog: Como você disse, foram muitos momentos incríveis que você viveu com o Quarteto em Cy, mas será que você tem alguma história interessante ou que marcou de alguma forma especial essa sua trajetória em Cy?

Sandra: Todas as histórias da época foram interessantes, era um ambiente maravilhoso. Uma das melhores foi quando fizemos uma temporada em Lake Tahoe, no norte da Califórnia, e um rapaz muito bonito, louro, com olhos azuis, ficou apaixonado pela Cybele e aprendeu a dizer em português “eu te amo.” Só que, nervoso na hora de dizê-lo para a Cybele, ele disse “eu te ameu.” A Cybele ficou tão embaraçada na hora, o rosto dela ficou completamente vermelho! Foi muito cativante e muito engraçado, um dos melhores momentos das nossas viagens.

 

Blog: Como o público norte americano recebia a música do Quarteto em Cy?

Sandra: Os americanos eram, e continuam a ser, apaixonados pela nossa música. O público sempre adorou e recebeu o Quarteto com muito carinho, fascinados com a harmonia do grupo e a beleza das vozes, principalmente da Cyva e da Cybele, e com curiosidade a respeito da música brasileira.

 

Blog: Que momento, em sua opinião, foi o mais especial durante a sua participação no Quarteto? Por quê?

Sandra: Principalmente por ter continuado através dos anos até hoje, o que foi mais especial não foi um momento. Foi a aceitação que tive por parte das meninas e uma vida inteira de uma grande amizade entre nós três (Cyva, Cybele e eu), uma amizade que me sustentou em momentos muito difíceis, principalmente enquanto elas também viviam em Los Angeles, uma amizade inquebrável, que continua a me confortar até o presente momento.

Sandra (ao centro), com suas filhas Giselle ( à esquerda) e Samamtha (à direita).  Foto: arquivo pessoal de Sandra Machado.

Sandra (ao centro) com suas filhas Giselle ( à esquerda) e Samantha (à direita). Foto: arquivo pessoal de Sandra Machado.

 

Blog: No período em que você integrou o grupo, o Quarteto não gravou discos, mas se você pudesse escolher uma música para ser imortalizada em uma gravação qual seria? Por quê?

Sandra: “Morrer de Amor,” do Oscar Castro Neves, porque considero a letra e a melodia lindíssimas, uma obra de arte.

 

Blog: O que significou para você fazer parte do Quarteto em Cy?

Sandra: Eu sempre adorei cantar e dançar e o fazia o tempo todo em casa. Cantar com o Quarteto, num ambiente de total apoio e confiança, foi mais do que uma simples participação em um grupo musical, foi a realização de um sonho, foi incrível!

 

Blog: Depois de se desligar do grupo que rumos a sua carreia trilhou?

Sandra: A Cyva e a Cybele, por motivos pessoais, resolveram retornar para o Rio. Infelizmente o meu marido não quis fazê-lo e eu, simplestemente, escolhi ficar com ele em Los Angeles.  Nós tínhamos perdido nosso filhinho e minha situação emocional não poderia comportar a separação dele. Pelo mesmo motivo eu não continuei a cantar profissionalmente e me concentrei em poder ser mãe novamente.

 

Blog: E hoje, Sandra, de que forma a música faz parte da sua vida?

Sandra: Hoje, e sempre, eu continuo a escutar música o tempo todo, a seguir todos os programas de música e de dança na televisão, e vejo todos os filmes do gênero! Além disto, desde Junho de 2012 eu frequento um clube de música americana (swing e Western) que tem shows de diferentes grupos, ao vivo, todas as noites, onde fiz amizade com alguns músicos, e onde não canto, mas danço cinco noites por semana!

 

Blog: Depois de todas essas lembranças e momentos especiais de sua carreira, seria possível dizer quem é a Sandra Machado hoje?

Sandra: Eu sou uma pessoa que olha para aquela parte do passado com a alma saudosa e os olhos querendo se encher de lágrimas, desejando que as coisas pudessem ter sido diferentes, mas sendo feliz vendo os filhos e os netos que vieram depois da carreira e que fizeram a vida valer à pena.

 

Blog: Gostaríamos de deixar esse espaço para que você possa dizer o que tiver vontade: uma mensagem para o Quarteto, para os leitores desse Blog, uma frase, um pensamento… A palavra é sua!

Sandra: Queridas Cyva e Cybele, escrever neste blog foi ótimo, me fez reviver outra vez – porque sempre conto as minhas filhas coisas daquele tempo — aqueles momentos tão felizes que passamos. A saudade é maior ainda quando relembro tudo isto, mas ter tudo isto para relembrar me faz realizar quanta sorte eu tive, e tenho, de poder contar com vocês duas entre as minhas amizades. Um beijo bem grande para vocês!

Aos leitores deste blog meus parabéns pelo bom gosto que mostram em serem fãs de cantoras da qualidade do Quarteto em Cy. Espero que minhas palavras possam fazê-los visualizar um pouco do ambiente junto do Quarteto em Cy em Los Angeles naqueles anos e conhecer um pouco mais a personalidade e integridade de caráter da Cyva e Cybele.

Para aqueles que querem ser cantores e músicos, que todos possam ter o tipo de experiência que eu tive, que possam encontrar em seus parceiros gente bonita e generosa como eu tive a extrema sorte de encontrar. Sucesso!

Anúncios

4 comentários sobre “Muito prazer: Sandra Machado

  1. A Sandra é um amor de pessoa, nos conhecemos em Los Angeles e nos tornamos amigas. Mas, ela morando por lá, fica difícil continuarmos a nos ver e falar. Mas ela foi fundamental na hora H em que o Quarteto ficou sem a Semíramis e a Sonia, lá em LA. Enfim, vida que segue. Hoje a Sandra é uma lembrança boa e generosa. Boa sorte pra ela e sua familia.

  2. Conheci a Sandra e seu marido ainda em Los Angeles(1968 )quando Semíramis e eu substituindo Cynara e Cybele no conjunto ,fomos com Cyva , Regina Werneck,Oscar Castro Neves e Aloysio de Oliveira cumprir contratos nos Estados Unidos estabelecidos anteriormente. Um casal super simpático de brasileiros que já lá habitavam e acompanhavam nossa carreira.Logo apos o retorno da Semiramis(Bimba) ,eu retornei com o Paulo para meu casamento aqui no Brasil.Ainda encontro, mas muito raramente com Sandra quando ela vem visitar a Cyva.Concordo com Cynara quando diz que na hora H em LA Sandra foi fundamental no nosso retorno, assim como Bimba e eu fomos aqui no Brasil na hora H no retorno a LA do quarteto em ¨68..A vida em CY segue e adorei ler o depoimento de Sandra nos seus momentos de ”quarteta”.Grande abraço e baita carinho em CY.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s